Sobre mim

Como falar sobre mim assim de repente para alguém que eu não conheço? Sem ver quais olhos me olham. Como se  fosse um bate papo virtual de personagens fictícios? Como se apenas eu falasse para um suposto leitor ou leitora?

Simplesmente escrevo. Escrevo para o mundo inteiro, para galáxias inteiras, para infinitos diversos, para aleatórios sem fim. De mim brotam palavras que levam ideias, pensamentos, invenções, sonhos, desejos, bobagens, profundezas, simplicidades, aventuras, certezas, sins, nãos, talvez e intermináveis et ceteras. Tudo sem destino definido, se espalhando por aí, por entre bytes e leds incertos, mas terminando em você, que parou um instante e apenas clicou. E leu. E reagiu. E interagiu. Este sou eu, o autor que não consegue se mostrar em letras, o autor que escreve para qualquer um que não queira só ler, o autor que culpa as palavras por existirem por si próprias, o autor que se equilibra entre as linhas e tenta chegar ao seu mundo, sua galáxia e seu infinito, além do ponto final.

“De mim brotam palavras que levam ideias, pensamentos, invenções, sonhos, desejos, bobagens, profundezas, simplicidades, aventuras, certezas, sins, nãos, talvez e intermináveis et ceteras.”