Marcas do tempo?

Que venham janeiros e fevereiros ou quaisquer nomes que tenham nossas necessidades de marcar o tempo, como se dele fôssemos senhor. Que venham os outros meses …

E damos nomes, marcamos horas e minutos, como se assim pudéssemos ter controle do ser e estar. Ledo engano, apenas vivenciamos o agora de cada instante, construindo caminhos e buscando desejos, do próximo agora que temos pela frente, dentro da nossa frágil impermanência.
O tempo não passa, nós sim, passamos.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *